Nota de repúdio ao vereador Henrique Deckmann, de Joinville

postado em: NOTÍCIAS | 0

A Federação dos Trabalhadores Municipais de Santa Catarina (Fetram-SC) repudia as tentativas do vereador Henrique Deckmann, de Joinville, de censurar a jornalista e pesquisadora Rosana Bond, após denúncias envolvendo o parlamentar e o milenar caminho Peabiru. Rosana estuda o tema há 30 anos, é autora de 5 livros a respeito do assunto e é tida como uma das maiores especialistas sobre o caminho Peabiru na América do Sul.

Entenda o caso

Em matéria publicada pelo portal de notícias AND, Rosana alega que o vereador Henrique Deckmann estaria usando recursos públicos para divulgar que o Peabiru, caminho milenar indígena, passava pelas cidades Joinville e Garuva, se apropriando de uma história que não pertence a nenhum dos dois municípios. Ela afirma que se trata de uma farsa que prejudica turistas, estudantes, professores e o próprio turismo no Estado.

Após as denúncias da pesquisadora, o vereador apresentou uma queixa crime contra a jornalista, na tentativa de censurar e intimidar a estudiosa. Ele procurou a polícia acusando-a de ter o ameaçado e de ter praticado calúnia, injúria e difamação.

O Caminho do Peabiru ligava o oceano Atlântico ao Pacífico, possuindo um percurso de cerca de 4 mil quilômetros. Em Santa Catarina, passava por Barra Velha, São João do Itaperiu, Guaramirim, Jaraguá do Sul e Corupá.

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou uma investigação sobre a Lei 18.635, sancionada pelo governador em fevereiro deste ano, e é acusada de conter uma farsa no trajeto do milenar Caminho do Peabiru no Estado. A intenção é rever os graves erros nos municípios citados na referida rota turística.

A Fetram-SC considera inadmissível esta tentativa de calar a jornalista Rosana Bond, uma profissional respeitada, que age com o intuito de trazer a verdade sobre fatos históricos relacionados ao Estado de Santa Catarina. Mas, para além deste caso, é inaceitável qualquer atitude que tenha como objetivo intimidar e cercear o trabalho de profissionais da imprensa, principalmente quando se trata de denúncias envolvendo questões públicas, de interesse da sociedade. A Federação se solidariza com a jornalista Rosana Bond e com todos os trabalhadores(as) da comunicação que enfrentam situações desta natureza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezoito − 5 =